terça-feira, 29 de julho de 2014

CRÔNICA DE UMA VOLTA EM LONDRES

Voltei de Londres. Não foi uma volta assim, digamos, terrível, mas me agarrei à poltrona minutos antes de subirmos. Fechei os olhos, contei até dez e finquei sete das dez unhas na pele. Sobrevivi, dancei dentro de mim, convidei até um tal Christian Grey para a festa. Bati palmas, tomei um Brunt Rosé, sonhei pela milésima vez.


Pedi para a vida não fazer assim tanto sentido. Pedi para ela relaxar, para que eu arrumasse uma ou mais formas de enlouquecer em vida sem precisar acreditar em seres de outros mundos, dragões em mares e bichos-papões debaixo de minha cama depois que voltasse para casa. Calcei minhas galochas para enfrentar a chuva, o frio ou o calor absurdo desses dias sem medo. Decidi pirar sem constrangimentos numa montanha russa, mesmo que ela não fosse a London Eye de meus sonhos. Decidi pular numa corrida na praia e aceitar uma saída para o desconhecido por uma rota qualquer. Aconselhei enlouquecer mesmo sem se ter amor. Sabe que faz bem e é chamado também de raposa? “De raposas como essa, o mundo está cheio”, lembro-me bem de Martha Medeiros sussurrando baixo em meu ouvido.


Confesso que, naquela época, quando estive no alto dos meus dezesseis anos, foi um aprendizado e tanto. Me esforcei um bocado para aprender a fazer meu Fettuccini Al Pesto, e prefiro não compartilhar o resultado. Mas aprendi bastante sobre raposas, seu habitat, alimentação, gostos. Vi Camilinha por aí rebolando com o bichinho estampado na roupa, e acredito que a moda pegou; a raposa deve estar se achando, e Camila- uai!- caindo de amor. Mas, e o que seria de nós sem amor? Gosto de raposas, blogueiras, palavras fofas, conto de fadas contados pelos pais, bichinhos de pelúcias, desafios, merengues que possam ser degustados na boca e uma caminhada sem rumo em Paris. Acredito num mundo melhor sem MC Donalds, sem preconceitos, torturas e rotinas. Troquei o caminho de casa, encontrei velhos amigos, provei sushi e aderi o macaron; sim, é tão gostoso quanto o nome. Aderi à simples massa de espaguete, ao molho shoyo, à realidade de minha vida e à mudança que eu posso escolher tomar (glup!).

Aderi à loucura da escrita, da vida, de confessar em voz alta e clara que amo pai, mãe, irmã, namorado, meu gato, o cachorro da vizinha, o caso de amor da Teresinha, a parede de espelhos da Bruninha, a fofura de Melininha. Confesso também que sei fazer pão, que aprendi a sobreviver em meio à guerra do meu quarto desde que listei os primeiros aprendizados de Bill Gates na primeira página do meu caderno de brochura, quando escrevi mais de mil cartas para meu primeiro amor. Muitos foram jogadas ao vento, mas todas que recebi guardo com cuidado sobre uma fita rosa sedosa. Aprendi sobre o aprender a trabalhar, sobre uma outra forma de amar, e histórias de empreendedor. Também aprendi a jogar xadrez, ler livros em inglês, a sonhar em perambular em qualquer escola incrível norte-americana. Aprendi sobre amores roubados, beijos molhados, livros compartilhados e a primeira vez. Aprendi que nada é mais fácil do que ter um sonho, e daqui a um minuto desistir dele. Aprendi a amar o meu chão, um pouco do alemão, que os anos que foram, não voltam. Mas aprendi que posso aproveitar, me inspirar e criar. Que toda forma de amor é possível, que sonhos são para se realizar e que as mães estão aí para nos orientar. Percebi que tenho medo, mas comprei uma bússola vermelha para me guiar,  toquei na mão do anjo da guarda para me zelar. Até prometi escrever uma cartinha na volta para ele: -Querido Anjo da Guarda, Londres está tão linda quanto ouvimos falar. Se ele sorrir, continuo com minhas historinhas. Caso contrário, volto a Londres novamente para me inspirar.
 

 Beijocas,
Vanessa Preuss

quarta-feira, 23 de julho de 2014

PERCEPÇÕES FEMININAS: UM GUIA PARA NUNCA DEIXAR DE SE AMAR


 

É difícil saber o que realmente se deseja quando se é mulher, nova e com tantas opções na vida, não é mesmo?
Entãoo.. Para me inspirar e te inspirar, resgatei do fundo do baú o texto mais plausível que já fiz  até hoje(cof cof).. Haja inspiração, eu sei..haha
 
Mas vale a pena ler messmooo! <3
 

"De repente você descobre que nasceu há algum tempo, e é menina. Descobre que tem super heróis chamados pais e que sua boneca preferida é a mais velha do baú. Você cresce, descobre que a lua não é de queijo e que seus personagens favoritos não falam, e isso te irrita bastante. Quando vira moça seu corpo muda, e algumas coisas mudam com você. Você não gosta mais de bonecas nem de pular amarelinha, e passa a se olhar diferente de quando era menor. Quer ser adulta. O mundo em volta passa a ser adulto e as paqueras começam a aparecer. Você beija na boca, se decepciona, sofre e chora, pensa que o mundo vai acabar e ele não acaba.
Depois de mais um tempo, descobre o sexo e descobre que ele não é um tabu. Você tem medo, receio e sequer sabe como vai se comportar na hora H. Então, quando o momento aparece, só não é natural se você não permitir que ele seja. Você encontra um amor e ele dura para sempre, ou uma semana. Descobre que não há receitas para prender alguém, nem para ser feliz, tampouco para aprender com as tristezas que aparecem. É a formula da vida que irá te ensinar.

Você descobre que às vezes o mundo é injusto e nada é feito para mudar essa condição. Aprende seus próprios conceitos e começa a dar algumas lições de vida, quando nem a si mesma não ensinou. Você vai errar, cair, mas deve levantar. Você descobre depois de um tempo que quem vence é aquele que persistiu mais tempo.
Você descobre quem nem todos os relacionamentos são perfeitos, mas que cada um deles te ensina uma forma de viver diferente. Descobre com o tempo seus gostos e desgostos, e percebe que nem todas as pessoas gostam de você como você gostaria. Há quem vá te adorar e outras que vão te odiar. Mas, apesar de tudo, a sua vida vai ter que seguir. Mais algum tempo e você aprende que dinheiro é importante, mas não é tudo na vida. E descobre que tem uma missão a cumprir. Essa missão vai ser qualquer coisa que passará a ser tudo na tua vida, e se você batalhar por ela, ela te trará o dinheiro que um dia você sonhou. E então você terá certeza que ele não foi realmente tudo, e que na verdade foi o teu trabalho que te engrandeceu.
Você vai descobrir que os anos passam depressa e um dia você vai desejar casar. O casamento será perfeito se ambos derem o melhor de si e fizerem a sua parte, e mesmo assim ainda surgirá alguns empecilhos. Faz parte e será muito normal, desde que o respeito prevaleça. Chegará um dia em que você desejará ter filhos e aprenderá a amar alguém da forma mais forte e onipotente possível. Isso te ensinará muito sobre a vida e você perceberá que muitos dos seus comportamentos de adolescente foram incabíveis.
Você amadurecerá, e mesmo com esse amor pulsando fora de você, seu conhecimento por si mesma será ainda maior. E seu amor pelo seu companheiro poderá aumentar ou diminuir, dependendo do quanto vocês se dedicarem a ele. E a vida passará, você irá cair mais umas dezenas de vezes, levantará outras dezenas, e aprenderá a chorar lágrimas mais fortes e a dar risadas mais gratificantes. Seus pulsos serão de aço e você saberá exatamente a roupa que cairá bem ou não para você. Olhará no espelho e finalmente vai conseguir sorrir para si mesma. É a maturidade que chega. E você conquista seus bens materiais e a vida vai ficando mais confortável, e mesmo assim você desejará não parar. Quando se aposentar, talvez você pare. Talvez não, mas isso será uma resposta que só seu coração poderá dizer. Quando seus filhos estiverem crescidos e você voltar a se olhar no espelho, dará gargalhadas.
Seus pensamentos serão mais compreensivos e você verá a vida com olhares diferentes. Ainda poderá mudar, e irá aprender muito com as perdas da vida. As lágrimas ainda descerão de tristeza, mas muito mais de alegria. Você pode até sentir falta da juventude, mas terá certeza que crescer foi a melhor coisa da sua vida. E quando você morrer, tenha só a certeza que fez tudo que podia em vida. Caso contrário, pule de paraquedas no ar. Você poderá deixar de acreditar em conto de fadas, mas quando chegar lá embaixo, vai perceber que a sua vida foi muito mais que isso."


 
E você, está se encontrando como mulher? 
Xoxo,
Vanessa Preuss


A MULHER INTERESSANTE- À PROCURA DE MAIS DIAS DE CHUVA



A mulher interessante não tem fricote. Não é abobada, nem disparada, pensa muito bem no que quer. A mulher interessante não se deixa levar por conversas balelas ao fim da festa ou do bar, das chantagens de um galanteador vestido de terno ou mocassim riscado. Geralmente é calculada, categorizada, distribui-se em prol de várias ações e principalmente em prol de sua própria ação.
 


Ela sabe ser sem vergonha quando quer, sabe pagar na mesma moeda, mas só o faz quando é pagar algo bom e que valha a pena. Ela não se preocupa com os olhares. Apenas sente-se bem, escolhe uma roupa feliz e confortável, cumpre com seus horários todo dia e passa um perfume que não precisa ser caro. Ela sai todo dia. Poe poeira no pé todo dia, enfrenta a pedreira de muitas pessoas e não se importa em ser feliz porque é aquilo que a faz feliz. Ela sabe ser sensual quando quer, sabe ser dura quando quer e é dona do próprio nariz. Ela cumprimenta as pessoas e não fala quando não é preciso. É dona do próprio corpo e da beleza, sorri no momento certo e chora para si mesma aprender a lição. Ela sabe ser forte até quando não quer, encara seus medos, mexe com dinheiro, escolhe cada adereço da sala e acredita naquilo que ninguém vê. Ela não causa intriga, não faz fofoca e nem fala à toa. Pode até disparar suas vontades vez ou outra, sorrir pelos cotovelos, apreciar uma boa conversa com uma boa bebida e boa companhia em um bom lugar. Ela sabe até manipular quando quer. Sabe pedir ajuda quanto o desespero bate inevitável à porta, quando a loucura sobe a cabeça e ela pretende deixá-la entrar.
 
 
Ela sorri. Ela extravasa com sua vida da melhor forma possível. Ela não está nem aí para dias de chuva. Apenas amarra um moletom na cintura, usa botas de cano longo e pega sua sombrinha para sair e conquistar seu mundo. Afinal de contas, ela sabe que está aqui para aprender. Sabe que está aqui para vencer, à procura de amor, cobertor  e um punhado de beijos, a sua forma mais autêntica de felicidade.
















Bom dia de chuva!

:)
Vanessa Preuss

 

segunda-feira, 21 de julho de 2014

SESSÃO DE MAQUIAGEM COM MARY KAY+ AMIGAS+ RISADAS


Em todas as vezes que eu pergunto a mim mesma porque tenho medo de tal coisa, eu puxo o ar de dentro, assopro bem fundo e digo: “Medo é tudo aquilo que sentimos quando sabemos que o próximo passo pode mudar nossa vida”. Concorda comigo?
E eu sempre fui meio medrosa, meio desarticulada, um daqueles serzinhos totalmente oriundos do mato, sabe? Nunca consegui mostrar verdadeiramente quem eu era, até eu descobrir que tudo o que eu precisava na verdade era de tempo para poder amadurecer e me conhecer melhor. Aprendi com ele que toda escolha é nossa e afeta positivamente ou negativamente a vida. Aprendi que tenho direito a escolher se terei uma vida bacana ou não, e como o que faço hoje pode refletir no meu amanhã. Fiz escolhas boas em minha vida: escolhi versos coloridos para me acompanhar, um copo de quentão, pantufas amarelinhas com bolinhas e uma bola de pêlos do lado para me alegrar. Escolhi usar uma polaina suave nos dias de frios, creminhos para deixar o cabelo mais macio e decidi desde hoje incorporar mais vestidinhos rendados e meia calças divertidas para me darem aquele tapa na cara quando o desânimo bater, sabe?
Escolhi a vida da forma mais agradável para se viver: sem dramas, sem xoxorô, com mais: Quer isso? Então vai lá e faz!
Sabe que isso tem mudado a minha vida positivamente? Desde o início da minha trajetória online, decidi ser escritora e não blogueira (embora eu amasse looks do dia, dicas de livros, e otras cositas más que via por aí na internet). Bem, eu precisava de foco, não?

Yes!

Here he is!
   Aqui: https://www.facebook.com/pages/Vanessa-Preuss/231794346999638?ref=hl


Decidi ser escritora, e escrever. Como por ora viveria da escrita somente? É um passo longevo e não sempre promissor, correto? Yeah! Devido a isso, resolvi escrever, escrever e escrever, mas também, trabalhar em uma empresa para ganhar meu ganha-pão diário fixo até quando eu puder viver somente da escrita e também falar das coisas que gosto do meu jeito e compartilhar com vocês. ;)

Que acham?


Por causa disso, preciso comentar sobre meus dias anteriores e também, sobre essa belezura em forma de base translúcida, o mais próximo que já cheguei da perfeição.. *_*

                                              Gamei!
Começando desde o começo: Na semana passada, fui convidada para participar de uma sessão da Mary Kay na casa de uma amiga. Aceitei imediatamente, tendo em vista um único e especial motivo: encontrar uma base que, definitivamente, “sentasse” no meu rosto. Tudo isso porque, até então, todas as outras simplesmente resbalavam e desciam de rolimão sobre ela, dando um aspecto manchadinho e nada bacana, um chute no ego de toda mulher.

       Pow! (a turminha sem filtro – ou vergonha- alguma..hehe)
E ele não poderia ter sido melhor. Fomos presenteadas pelo ceu para a consultora Carina Gauer, que além de nos apresentar produtos incríveis como a base pela qual me apaixonei perdidamente, me inspirou a listar aqui outros produtinhos que toda mulher merecia conhecer. Vamos lá?

                Essa é a nossa fadinha da Mary Kay! Não é linda?

- O primeiro deles é o Lábios de Seda(say what?): Calma! Esse produto maravilhoso é um kit composto pelo Lip Mak, um esfoliante que você coloca nos lábios e dá um esfregadinha para tirar toda a rachadura e outras coisas terríveis que o inverno e o verão trazem; e prepara para usar o Lip Bals ou bálsamo, que hidrata e deixa seus lábios prontos e maravilhosos para beijar muitooo mesmo sem batom..haha


- O Kit milagroso (uai!)composto pelos seguintes produtos: Creme de Limpeza 3 em 1, que consiste num gel de limpeza que limpa, tonifica e microesfolia o rosto, deixando-o com uma aparência de bundinha de bebê;  Os Colágenos (a fonte pura da juventude!), sendo um diurno com fator solar, e outro noturno com vitamina que vai reafirmando a pele e protegendo do sol; e finalmente também o hidratante redutor de linhas de expressão, que finaliza e fecha com uma camada extra de proteção. Não são demais?


- O Kit Mãos de Seda tem três produtos: o primeiro deles é o Creme Extra Emoliente,  tem um aspecto meio oleoso e serve para manter a hidratação natural da pele e prepará-la para aplicação do esfoliante, o segundo da lista. E como diz o nome, o segundo esfolia a mão com aquela areiazinha, sabe? Depois de usá-la, todas precisamos ir ao banheiro lavar as mãos..Uma fila sem fim..haha A espera vale a pena especialmente porque o creme de pêssego para as mãos tem um cheirinho irresistivel, algo de outro mundo.. E nos garantiram que a hidratação é 24 horas, viu!

Eu só sei que me apaixonei!


- Como se não bastasse todas essas maravilhas, ainda conhecemos o Primer para Sombra, já ouviu falar nele? Eu também nunca tinha ouvido falar, mas -sim- ele é super bom e firma bem mais a sombra, sem deixá-la cair e sujar a parte debaixo do olho, que é aquele problemão pra limpar, né? Uma belezura! Outros achados ótimos que descobri: batons maravilhosos, principalmente o True Dimensions, a base em pó Mineral, o Demaquilante para a área dos olhos(M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O) e o que é aquele estojo de maquiagem com ímã onde você preenche com as cores que quer? Estou boba até agora..hehe

                              Olha como ficamos! U-A-U!

Foi uma daquelas noites incríveis que você nunca irá esquecer, sabe? (exceto por descobrir que todos aqueles cílios que perdemos não nascem mais.
:( Cuidem bem deles, meninas.) No mais, nos divertimos muito, aprendemos muito e adquirimos ainda mais vaidade ao nosso rostinho.. Melhor que isso só mesmo descobrir que podemos sim valorizar nosso tom de pele exatamente como ele é, ressaltar nossos melhores ângulos, esconder as pequenas imperfeições e aumentar o autoestima para ser ainda mais feliz- do tipo de dar gargalhada por aí à toa, sabe? Haha

Espero que tenham gostado do post porque eu não costumo escrever sobre isso, mas eu precisava compartilhar esses achados incríveis de sexta à noite.. Nunca é demais aprender um pouquinho sobre cuidados com o que é nosso cartão de visitas principal, né? Cuidem da pele, não exagerem demais na maquiagem, limpem a pele bem, e sejam ainda mais lindas- e felizes!

Ahh.. E recomendo a quem puder uma visitinha dessas consultoras que atendem também por anjinhas da guarda.. Nos fizeram muito bem, como vocês viram na foto de antes e depois..hehe



Beijos e maravilhosa semana para vocês!

Vanessa Preuss

quarta-feira, 16 de julho de 2014

EU DEIXEI MEUS SONHOS BATEREM À PORTA


Um dos motivos pelos quais eu larguei o jornalismo foi porque eu gostava de escrever muito sobre sonhos. Quando entrei saltitante na profissão e me dei conta que era exatamente o contrário (realidade), eu meio que me frustei. Coisas como não poder colocar meu coração no papel me desanimavam. Coisas como realmente não poder desenhar corações no papel me frustavam (ok, talvez eu tenha exagerado..haha).

Eu sou a de azulzinho, uai! Muitas lembranças dessa turma maravilhosa!

Mas.. era isso. Eu queria viver desses sonhos. Eu queria poder compartilhar com as pessoas o meu ponto de vista, coisas gostosas, bonitas e coloridas. Fazê-las sentir-se bem como eu me sentia, sabe?
Então, acrescentei minha ânsia louca por desafios, e a admiração gigante por quem pega e faz algo sem reclamar. Eu queria achar alguma forma de me expressar com as palavras, mas com outros tipos de palavras, sabe? Mais doces, suaves, desregradas. Sem precisar explicar necessariamente onde e porque. Sem precisar dizer nome do fulano ou ciclano,  me preocupando muito mais com a intensidade do olhar ou da palavra que é dita.
Larguei o jornalismo para ser escritora. E estou feliz por isso. Sinto-me leve feito uma pluma, sem a corda sobre o pescoço, com mais dinheiro no bolso- embora eu pretenda voltar logo, logo para outra graduação-, aprendendo e saboreando meu amado inglês. Aliás, sabiam que já li um livro in English? O propósito é mais uns dois pelo menos até o final do ano. Junto com outros em português, pretendo- e também sinto que estou- aproveitando muito mais meu tempo.




Escrevi um livro, e enquanto a ansiedade me corrompe por inteiro para tê-lo em meus braços feito um bebê pra lá e para cá (haha), já vou emendando outro. E me enchendo de inspirações gostosas. Saborosas, coloridas, alegres e cheirosas. Porque apesar do mundo  não ser sempre isso, eu cansei de ver os noticiários só mostrando coisas ruins. Cansei de casos de discórdia, de tristeza e melancolia. Se isso não é possível mudar na realidade, eu vou me desligando aos poucos e me conectando mais ao meu mundo de sonhos, cores e emoções. Estou me colorindo aos montes, e acredite, está valendo mais a pena do que você imagina.
Saindo do meu mel em forma de texto... Enquanto ainda angario fundos para deixar meu blog com uma aparência mais profissional, para tirar uma fotchenhas novas e ir me aproximando do universo da tecnologia "blogiana"- haha-, deixo aqui um pouquinho do que está por vir no finzinho do ano!
Ueebbbaa!!
“Ano de 2014,

Queridos leitores,

Eu sempre acreditei no poder da mulher. Mais que isso, eu sempre associei o poder da mulher ao sexto sentido. Sempre associei nossa sabedoria a um ofício a mais, dom difícil de explicar, mas que em algum momento de nossa vida, por uma razão específica, fora destinado a interver as decisões tomadas pelas mulheres. Com ele, aprendemos exatamente onde precisamos ir, quando e por quê. Sabemos se um peixe no açougue está bom, se podemos confiar nas palavras do namorado ou marido e porque ficamos inquietas quando desconfiamos de algo a ponto de o perseguirmos até comprovar sua eficácia. Quando erramos, é sinal de que o faro precisa aumentar, um ótimo exercício para o feeling. Mas não se assuste: errar não é pecado; ao contrário do acerto, o aprendizado é tão válido que chega a nos ensinar duas ou três vezes mais. O também chamado sexto sentido, único privilégio que não fora cedido aos homens pelos céus é um dom que precisa se proliferar. Foi por me dar conta que o tenho que criei este blog, e por perceber o poder dentro de mim que escrevi esse livro; Talvez por vários outros também, e por adorar mergulhar em histórias que me desafiem e me incentivem a sair da minha zona de conforto. Eu sempre desejei alcançar algo a mais. Contudo, como em tudo na vida, nem sempre eu era assim. Dois anos atrás, eu ainda vivia com meu pai, mal tinha beijado na boca e não acreditava em nenhum conto de fada além do meu livro de cabeceira chamado Alice no País das Maravilhas. Meu melhor amigo era um garoto e a figura feminina mais perto de mim vivia a quilômetros e quilômetros de distância; minha avó Sarah Cartner, que morava em Greenwich, Londres. Passei algumas peripécias até chegar lá, e mais ainda até parar aqui, de frente ao meu tablet, para escrever isso. Precisei de força. Precisei doses abusivas de coragem. Mais: precisei realmente descobrir que eu tinha o dito feeling feminino. Acreditem: essa foi a melhor coisa que eu descobri na minha existência até aqui.

Prazer: meu nome é Roberta Campanaro Cartner, e esse é apenas o começo da minha história.”


Beijocas,

Vanessa

terça-feira, 15 de julho de 2014

NAMORE UM CARA QUE ESCREVA

Ler é tudo de bom, né?



 
Além de te levar por onde quiser, você ainda agrega cultura e vocabulário à sua vida, aprende um bocado e se diverte. Já viram o vídeo maravilhoso da Thalita Rebouças que está rolando na TV?
É sensacional!
E pode ter certeza que quem está do outro lado também se diverte à beça! Preencher uma folha de papel, um diário ou aquela página em branco  é um exercício tão gostoso e gratificante que dificilmente quem começa consegue parar.


                                 Praticamente impossível!
 
Quer algo mais delicioso que isso? Ah, eu tenho. Antes que vocês me convençam o contrário e digam chocolate, vou compartilhar um texto maravilhoso que encontrei vagando na internet. Ah, sim.. Homens que escrevem são tão charmosos quanto nossos galãs de filme..

Quer a prova? Aí vai...


"Namore aquele cara que está sempre com papel e lápis na mão. O cara que escreve nem sempre vai saber o que falar, mas com certeza saberá escrever o que sente. Ele vai escolher as melhores palavras e nunca terminará uma carta com um trecho ...de seu poema favorito. O cara que escreve sabe que cada história é diferente, e não vai ousar misturar uma original com outras que já são conhecidas mundialmente.
O cara que escreve é aquele que fica te olhando por horas a fim de achar inspiração. Ele poderá te observar por toda a eternidade, mas sempre achará algum detalhe novo para descrever. Ele ficará tão concentrado em escrever que vai se esquecer de ajeitar os óculos, e só perceberá que eles estão deslizando por seu nariz quando já não conseguir enxergar sua própria letra. Sim, o cara que escreve geralmente gosta de manuscritos.
Namore um cara que escreve, pois ele sempre terá um poema que te conforte quando você estiver triste. Quando não for um poema, será uma piada que ele mesmo inventou, ou um trecho da crônica que escreveu para o jornal da faculdade. Um cara que escreve vai escutar atenciosamente quando você quiser falar sobre seu dia e, depois, irá transformar sua pequena narrativa numa longa história.
Namorar um cara que escreve significa ganhar sempre uma carta ou poesia no dia dos namorados, aniversário, Natal, dia do amigo ou em qualquer outra data do ano. Até mesmo o melhor presente do mundo virá acompanhado de algo escrito por ele. E, quando você menos esperar, ele te surpreenderá com uma xícara de chocolate quente e um conto novo para ler.
O cara que escreve vai se sentir honrado quando comparado a algum grande escritor, e não a aquele ator do filme que acabou de estrear. Mas, quando ele escrever sobre você, fará com que se sinta uma princesa. Só ele conseguirá te proporcionar as melhores sensações do mundo com meia dúzia de palavras.
Se quiser viver uma boa história, namore um cara que escreve."
 
"Namore um cara que escreve". Autoria de Lillian Cruz, 2013. Baseado no texto "Namore uma garota que lê", de Rosemary Urquico e tradução de Gabriela Ventura.

Demais, não?
 
Beijocas,
 
Vanessa

sábado, 12 de julho de 2014

POR QUE EU ESCREVO?


 
Quero aprender uns passos de balé. Para me sentir mais perto do meu universo, poder tocar o chão sem sentir meu corpo falhar. Quero poder acreditar em todas aquelas histórias que algum dia já me contastes, ou em outras que ouvi das vozes tão doces e amargas da rua. Quero- e no fundo, todos nós sempre queremos- poder traduzi-las para a realidade.
Você consegue perceber o sentimento que uma história causa em nós? O poder que ela tem?
-Joana foi à feira. Pedrinho foi à Londres. Ana foi à escola. Julieta encontrou Romeu em Paris. Tudo isso pode acontecer aqui na nossa esquina, diante dos nossos olhos, debaixo do umbigo. Mas nunca nos daremos conta disso se não colocarmos vida naquilo que acreditamos. Se não desenharmos um sorriso no papel, ou uma lágrima correndo nos olhos de um amor desatino, no corpo da máquina. Precisamos tocar o coração das pessoas, de uma forma ou de outra. Eu escolhi a escrita, e por mais que me digam que ela seja a coisa mais absurda do mundo, sempre haverá alguém que se encontrará nesses versos perdidos no papel. Por vezes, o papel tem mais forças que eu; e subscrevo-me nele, deitada, como num divã ao cair da tarde ensolarada.

 
Isso sempre faz algum sentido, não importa qual seja, para mim, para alguém, e não importe quem.
“Uma das melhores coisas do mundo é conseguir largar os sentimentos no papel e perceber de alguma forma ou outra que ele faz sentido para alguém também.” ;)


 


Beijos e um maravilhoso sábado!!
 
Euzinha,
 
Vanessa
 
 

sexta-feira, 11 de julho de 2014

O MELHOR TEMPO QUE JÁ PERDI- PARA TODOS AQUELES QUE JÁ PREENCHERAM O ESPAÇO VAZIO DA AGENDA DE ALGUÉM





Foi aquele dia que passei sentada na varanda da minha casa. De chinelos havaianas e um vestido floral inocente, você rindo da minha cara porque eu lhe propunha contarmos junto as estrelas. Você rira porque isso era impossível, e  também fiz o mesmo porque adorava a careta que você fazia quando achava algo engraçado. Eu te achava engraçado. Adorava tudo o que fazia, independente se fosse certo ou não. No fundo, nenhum de nós faz nada certo igual. No fundo, somos todos crianças inocentes à procura de algo que possa preencher os vazios dessas tardes insolentes, o silêncio das noites geladas e das camas vazias. Do boteco abandonado, das cartas deixadas ao meio junto com a garrafa de tequila pela metade. No fundo, todos nós queremos alguém para preencher o espaço em branco na nossa agenda, o fim da tarde de sábado, a pipoca doce do cinema vazio. Pode ser simplesmente para dar uma volta por aí. Pode ser para qualquer coisa, até para fazer companhia e levar seu cachorrinho no pet. Farei carinho nele e ouvirei com todo cuidado você falar de coisas bobas e aleatórias. Sua aula de inglês dificílima, a viagem da infância, o tempo chuvoso que está por vir. Me concentrarei nas suas caretas imperdíveis e gostosas de ver, cruzarei meus braços sobre o peito para te desafiar. Gritarei bem alto:
-Vamos correr na chuva?
Tudo bem se você disser que não. Poderemos querer manter a saúde intacta, deixar para o dia seguinte e fazer apenas uma simples caminhada ao cair da tarde, ou empurrarmos  nossas bicicleta um ao lado do outro. Podemos até apostar uma corrida pelo quarteirão depois daquela prova chatérrima, gritando as mais loucas coisas para o vento com o cabelo entrando pela nossa boca. Faremos isso e depois deitaremos em um bom colchão, rindo e bebendo qualquer bebida barata para comemorar o início das nossas férias. Tudo bem você achar bem.
 

 Não importa. Todo o tempo que já perdi foi o melhor tempo que passei, só pelo simples e bobo fato de estar com você.
 
(Vanessa Preuss)

quinta-feira, 10 de julho de 2014

SAMBEMOS EU E VOCÊ


 
“Sambemos na cara do destino. Que tal?
Tu pega de lá, eu pego de cá. Damo-nos as mãos, vamos dançando conforme a música toca e o timbre aumenta. Nos aproximamos devagar, que é para deixar aquele clima meio mágico surgir, sabe?
E você vem. E eu fico. Tu samba na minha cara muito melhor que eu. Tu me enebrias, enche meu corpo daquele eletricidade gostosa. Assim como nossa dança, exatamente como tu é. E eu vou me aproximando também, e me entregando também. Afinal, nunca me senti tão vidrado e viciado em alguém, assim, como você.. “
 
 

terça-feira, 8 de julho de 2014

O QUE EU APRENDI TORCENDO PELO BRASIL



Há quase um mês, li no Jornal Primeira Hora, cidade vizinha à minha, uma mensagem maravilhosa sobre ser brasileiro.  Sobre amar a pátria, todas as coisas maravilhosas da qual dispomos simplesmente morando aqui e que muitas vezes não fazemos nem ideia.

Sem querer ser pessimista, mas normalmente só nos lembramos de valorizar e amar nossa pátria quando há copa do mundo e eleições, e ainda assim fazemos o extremo oposto. Xingamos, reclamamos, vamos às ruas, fazemos cartazes depreciativos.
 
Quando queremos, sabemos ser maldosos demais. Tudo bem. Concordo que como em todo lugar no mundo, no Brasil há problemas. Mas problemas esses, que muitas vezes não se resolvem com pancadarias e quebra do patrimônio público. Problemas esses, que não se resolvem quando colocados à exaustão, na boca de uma minoria mal educada. Precisamos começar a pensar diferente, e é por isso que faço questão de compartilhar esse texto aqui.
 
Eu particularmente, nunca vi uma bandeira hasteada em uma casa quando não fosse Copa do Mundo. Nunca vi um filme supervalorizar nosso país como faz, por exemplo, os Estados Unidos. E olhe que ele fica bem atrás de nós em algumas questões políticas, por incrível que pareça.
Ultimamente, andei pensando em tudo que vi nas ruas nesse último mês. É verde e amarelo por onde quer que você ande: postos de gasolina, casas, rostos, pessoas, no mais alto dos prédios. Pessoas felizes. Idolatrando sua pátria. E esse texto que li há poucos dias atrás veio como um chacoalhão em mim. O Brasil tem realmente muitas mais coisas boas do que pensamos. Muitas mais surpresas, dá olé em muitos outros países, e não somente no futebol.
 
Pois bem, vamos ao que interessa. Apesar de todos os problemas, é ou não é um motivo de orgulho ler isso?
 
“Já parou para pensar como nós, brasileiros, adoramos falar mal do Brasil? Tudo bem que muito ainda falta à nossa Nação, mas poderíamos valorizar o que já temos. Eu, particularmente não havia pensado assim, mas, após ler um texto na web, comecei a fazer uma reflexão e percebi que o Brasil não é tão ruim assim…
Infelizmente temos o péssimo hábito de achar que o mundo inteiro presta, menos o Brasil. Nunca pensamos que todo lugar tem algo de bom e de ruim. O problema é que no exterior eles dão mais valor aos pontos positivos e aqui no Brasil exaltamos os negativos.
O Brasil tem muitos diferenciais e é melhor do que outros países em muitas coisas, como por exemplo, nos EUA e na Holanda os resultados das eleições demoram muito para serem contabilizados, e isso coloca em dúvida a credibilidade do processo eleitoral. Nesse último país, existe apenas uma companhia telefônica, e você não tem direito à fazer reclamações, caso faça, poderá ter o seu telefone desconectado.
Em Paris, as pessoas são muito mal educadas, os garçons são grossos e atendem super mal. Qualquer atendente de boteco brasileiro poderia dar uma aula de “como conquistar o cliente".
O Brasil tem milhares de problemas, como todas as nações, mas o nosso país está na frente em muitas coisas e serve de exemplo para várias outras, confira:
 
- O Brasil é o país que tem tido maior sucesso no combate à AIDS e de outras doenças sexualmente transmissíveis, e vem sendo exemplo mundial.
- O mercado de telefones celulares do Brasil é o segundo do mundo, com 650 mil novas habilitações a cada mês.
 - O Brasil é o único país do hemisfério sul que está participando do Projeto Genoma.
 - Numa pesquisa envolvendo 50 cidades de diversos países, a cidade do Rio de Janeiro foi considerada a mais solidária.
 - Das crianças e adolescentes entre 7 a 14 anos, 97,3% estão estudando.
 - Mesmo sendo um país em desenvolvimento, os internautas brasileiros representam uma fatia de 40% do mercado na América Latina.
- Das empresas brasileiras, 6.890 possuem certificado de qualidade ISO-9000, maior número entre os países em desenvolvimento. No México, são apenas 300 empresas e 265 na Argentina.
- No Brasil, há 14 fábricas de veículos instaladas e outras 4 se instalando, enquanto alguns países vizinhos não possuem nenhuma.
- O Brasil é o segundo maior mercado de jatos e helicópteros executivos.
Esses itens acima não são os únicos, nós brasileiros temos muito mais coisas para nos orgulharmos. É claro, que deixamos a desejar em diversos pontos, mas já está na hora de valorizar o que temos. Eu disse “valorizar”, não significa que devemos tapar os olhos para os pontos negativos, mas que precisamos também reconhecer as diversas coisas boas que possuímos. Existem muitas nações que têm menos do que nós, e são muito mais patriotas e sentem orgulho do países em que vivem.

 O Brasil tem um dos maiores mercados editoriais, publicando mais de 50 mil livros ao ano. Temos também o sistema bancário mais moderno do planeta. Nossas agências de publicidades são as mais premiadas mundialmente, mostrando a criatividade e talento do nosso povo.
Apesar de tudo o que estamos vivendo na política no nosso país, é interessante ver que membros do próprio Congresso condenam seus colegas, isso é difícil de se ver em países considerados civilizados.
Na minha opinião, uma das coisas que mais me faz amar esse país e o nosso povo, é que somos hospitaleiros, somos calorosos, educados e tentamos sempre tratar bem os turistas e qualquer pessoa que deseja conhecer o nosso país. Nos preocupamos muito mais com o próximo do que qualquer outra nação.

O Brasil é o país que possui a magia de unir todas as raças, de todos os credos. Temos um povo capaz de entender todos os sotaques, e oferecemos todos os climas para contentar toda a gente. Bendita seja a nossa pátria!
E nos orgulhemos de sermos brasileiros!”
Voltando a mim..
Que o verde já era minha cor, eu já sabia. O que eu nunca pensei é como ele poderia combinar tanto com o amarelo.
Vamos, Brasil!...
“Me leve todo os dias, ao tempo que éramos felizes, e não sabíamos.“
Essa é minha foto "Vanessa Davidualizado" hehe

Beijos,
Vanessa Preuss